Protestos no Brasil são um super meme

Estou desde a segunda-feira, dia 17 de Junho – mais especificamente no momento em que liguei a TV e vi manifestantes ocupando o prédio do congresso nacional – tentando entender os protestos que se espalharam pelo Brasil.

A conclusão que cheguei até então é a seguinte: os protestos no Brasil são um super meme. Eu vou tentar explicar.

Notas:
– Não sou filiado a nenhum partido.
– Esta opinião é apenas minha, pessoal, e foi formulada – até aqui – a partir do que vi. Posso estar completamente equivocado. Não espero estar totalmente certo em nenhum tópico.

 

O que é um meme

Aqui e na wikipedia tem boas explicações. Em resumo o termo significa uma ideia ou comportamento que se espalha pessoa por pessoa dentro de uma cultura. Foi cunhado pelo biólogo Richard Dawkins em seu livro The Selfish Gene, como um conceito na discussão de como as ideias e fenômenos culturais se espalharam no processo evolutivo.

Na internet o termo é utilizado para todas aquelas coisas que são repetidamente compartilhadas e que sofrem alterações neste processo, ganhando novos significados inclusive. É uma ideia colaborativa e orgânica que vai
crescendo e ganhando novas utilizações, novas leituras e vai se misturando na cultura.

Coisas como o “Harlem Shake”, o “Fail”, as “TrollFace”, “Todos Chora”, as frases da “Clarice Lispector” são exemplos de Memes.

 

Quais são os principais memes do protesto:

 

#nãoépor20centavos

Acho que tudo começou com os 20 centavos. “Não é por 20 centavos, é por direitos”. Uma mobilização para abaixar o valor das tarifas de ônibus em São Paulo. A “faísca”, que foi devidamente anabolizada com outros memes.

#vemprarua

A partir do anúncio da Fiat para a Copa o termo passou a significar o chamado das pessoas para as ruas, para protestar pelos seus direitos.

#ogiganteacordou

Uma sacada que saiu do hino nacional – “gigante pela própria natureza”… “deitado eternamente em berço esplêndido”… – que numa famosa campanha de bebida se levanta e começa a caminhar. Reforçando que as pessoas acordaram para o que está acontecendo no país.

#copapraquem

Como pano de fundo temos acontecendo um evento mundial, sobre o qual já existem inúmeras suspeitas de corrupção pelos valores gastos na construção dos estádios. Foi um pulo surgir este meme, que reforça todos os outros e se aproveita de cada notícia sobre o evento e sobre um fator cultural fortíssimo no país “do futebol”.

#padrãoFifa

Junto com o #copapraquem, outro meme que trouxe mais dois assuntos para a pauta: saúde e educação. O meme se refere à precariedade destes serviços públicos e à necessidade de ambos também seguirem os altos padrões de qualidade da instituição organizadora da Copa.

#semviolência

A partir do momento em que os primeiros protestos foram contidos pela polícia com utilização de força excessiva, este meme se espalhou, ganhando outras interpretações no desenrolar dos fatos como o “semvandalismo”.

#vinagre

Para temperar tudo isso uma pitada de nonsense, no caso o meme do vinagre, substância utilizada para amenizar os efeitos do gás lacrimogêneo utilizado pela polícia na dispersão dos manifestantes, e que foi proibida na manifestação de São Paulo, com a prisão de um repórter e envolvimento da mídia tradicional.

E estes são só os principais, pois neste fenômeno do super meme eles vão se modificando, se multiplicando e espalhando com velocidade assustadora.

 

Como eles funcionam:

O indivíduo, ao receber uma destas ideias / memes / estímulos, se identifica ou não. No caso destas ideias, todas foram extremamente massificadas e multiplicadas nas redes sociais e elas são simples, de domínio público, fáceis de serem entendidas e apropriadas.

Em seguida as pessoas infectadas pela ideia tendem a espalhá-la para seus amigos e pares, tanto para dividir a experiência quanto para se sentir parte do todo, para participar.

Uma pessoa que recebe, por exemplo, dois memes, e os mesclam criando um terceiro, alteram seu significado e realimentam o super meme. Toda utilização destas ideias associadas a outros conceitos, políticos, econômicos, sociais, acabam por fortalece-las e aos poucos transformá-las em algo com significado cada vez maior.

Nas redes sociais este processo acontece em larga escala, em alta velocidade, sem fronteiras.

 

Outras constatações:

Um argumento interessante que sempre é levantado é de que as pessoas saíram da frente de seus computadores e resolveram protestar. Algo como “saíram da internet para o mundo real”. Na verdade a internet, a rede social, são elas. As ideias e os comportamentos estão nas pessoas. Esta imagem diz tudo.
rede-social-protestos-brasil

O fenômeno do super meme é algo completamente novo. Sem precedentes (talvez alguns, mas não nesta escala). Somente entendido completamente pela geração dos millennials. Sim, se você, como eu, tem mais de 20 e poucos anos, você tem uma série de padrões de comparação antigos para uma série de comportamentos novos difíceis de serem quebrados para enxergar com clareza como este fenômeno se desenvolve. Eu, ao meu ver – e posso estar completamente equivocado – estou só arranhando a superfície.

Neste link por exemplo uma análise das redes de opiniões formadas sobre os assuntos desta semana mostra pontos de conexões e desconexões nesta grande malha. Mostra bem como se posicionam as mídias tradicionais, situação, oposição e engajados. (dica do @felipecabeca e do @walteen)

É um momento histórico, tanto na esfera social e política, quando para os apaixonados pelo comportamento das pessoas nas redes sociais. Vamos ficar de olho. Este é um texto em progresso. Vou atualizando aqui minhas observações.

Até breve.